segunda-feira, 7 de março de 2016

Dupla que matou jovem ao defender a mãe de assalto no Ceará é condenada

Filho de Dulcineia morreu ao defendê-la oito meses antes (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução)Dois homens foram condenados a 20 anos de prisão, cada um, pelo assassinato de um adolescente durante uma tentativa de assalto. Cristofer da Silva Marques e Flavyano de Sousa Silva foram condenados por latrocínio (roubo seguido de morte) do adolescente Diego Tertuliano Lima, morto ao tentar defender a mãe de um assalto na porta de casa, no bairro Messejana, em Fortaleza. A decisão desta segunda-feira (7) é juíza Marileda Frota Angelim Timbó, titular da 14ª Vara Criminal de Fortaleza.
“Têm, devem e não podem deixar de ser condenados pelo crime que lhes são atribuídos na denúncia praticado contra a vítima Diego Tertuliano Lima. Não milita em favor de nenhum deles nenhuma circunstância que os isentem da responsabilidade pelo delito cometido”, afirmou a magistrada. O crime ocorreu em 20 de março de 2015.

Na mesma decisão, a magistrada absolveu Tiago da Silva Ribeiro, por entender que não houve prova material da sua participação no crime. O réu havia sido apontado por Flavyano como o responsável por dar fim à arma utilizada no latrocínio.

Após a morte do filho, Dulcineia deu entrevista  dizendo que não sabia como viver com a culpa. “Não sei por que eu não entreguei aquela chave logo. Eu não sei. A culpa é horrível. É doloroso, é muito doloroso”, afirmou.Em dezembro de 2015, Dulcinéia Tertuliano Apolônio, mãe de Diego, morreu em um acidente de trânsito, em Fortaleza. Segundo a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania de Fortaleza (AMC), Dulcineia dirigia um carro que bateu em uma árvore na Avenida Duque Engenheiro Agrônomo José Guimarães, no Bairro Cambeba.Ela não resistiu ao impacto da colisão e morreu na hora.
O caso
De acordo com denúncia do Ministério Público do Ceará (MP/CE), o crime ocorreu no dia 29 de março do ano passado, quando a mãe da vítima, Dulcinéia Tertulino Apolônio, saía de casa e foi abordada por Flavyano. Armado, ele bateu no vidro do carro de Dulcinéia, mandando a mulher descer. Sem resistir, ela entregou a chave do carro a Flavyano.

Neste momento, Diego saía de dentro de casa e, ao ver a cena, mandou o réu não fazer aquilo com a mãe, dando-lhe um soco. . “Ele passou e depois voltou bem rápido. Foi quando ele chegou, no meu portão, na porta do carro (…). “Foi na hora que meu filho foi saindo [para fechar o portão da garagem] e gritou: 'não faça nada com a minha mãe'", conta a mãe na época do crime. Flavyano caiu no chão e deu três tiros, acertando a vítima no braço e na cabeça.
Em seguida, fugiu em veículo dirigido por Cristofer, levando apenas o celular de Diego. O infeliz ainda disse que só atirou porque ele tinha segurado”, disse ela, que foi agredida no joelho esquerdo quando pediu para parar de atirar no filho. “Não tinha por quê. Ele já tinha dado dois tiros, um no braço, outro na barriga. Não tinha porque ele atirar na cabeça. Meu filho já estava no chão”, disse Dulcineia.
G1 CE

Nenhum comentário:

Postar um comentário