quarta-feira, 9 de março de 2016

Vídeo anuncia que Comando Vermelho suspenderá ataques a delegacias e ônibus de Fortaleza

Nas imagens, criminosos aparecem com armas de uso restrito (FOTO: Reprodução Vídeo)Depois de uma semana de muita violência na Região Metropolitana de Fortaleza, com ataques a cinco delegacias e ao prédio da Secretaria de Justiça do Estado (Sejus), metralhados durante a madrugada, e a cinco ônibus, incendiados por criminosos, um vídeo que seria de autoria do Comando Vermelho anuncia o fim da onda de terror.
Um rap sobre os ataques está sendo compartilhado nas redes sociais. De acordo com a música, nos próximos dias ocorreria uma suspensão aos ataques da facção criminosa a delegacias e outros prédios públicos.
Nas imagens, criminosos aparecem com armas exclusivas da polícia, e notícias de veículos de comunicação sobre os ataques da última semana são exibidas como forma de comemoração.
Em nota, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que o material está sendo analisado, para saber se há relação com a facção Comando Vermelho.
Acompanhe o caso
A semana passada foi de muita violência no Ceará. Desde quinta-feira (3), foram registradas 13 ações criminosas, sendo cinco ataques a delegacias, a sete ônibus (cinco incendiados e duas tentativas) e ao prédio da Secretaria de Justiça e Cidadania do Ceará (Sejus) localizado na Avenida Heráclito Graça, no Centro de Fortaleza.
Diante do clima de medo entre policiais, o governador declarou, neste sábado (5), que nenhuma ação intimidará o trabalho da polícia ou do governo. “Nós não vamos abrir mão um milímetro sequer de combater o crime no estado, seja quem for. Se querem intimidar a polícia ou o governo, estão enganados. Estamos cada vez mais fortes para combater o crime”, defende.
De acordo com a SSPDS, a polícia trabalha com várias linhas de investigação sobre os casos. Entre elas, retaliação pela morte de um adolescente que era envolvido com o tráfico, em confronto com o BPRaio, uma tentativa de suborno que foi feita a polícia para a liberação de uma traficante logo após ter sido presa e uma alegação de maus-tratos em presídios.
Além disso, os agentes também investigam se os ataques possuem relação com a remoção de um traficante para um presídio federal e uma possível retaliação pela discussão de Lei sobre o bloqueio de sinal de celular nos perímetros de unidades prisionais.
Segundo a secretaria, nenhuma das linhas está descartada. “Os trabalhos policiais continuam e objetivam apurar a real motivação, identificar e prender os criminosos envolvidos nas ocorrências. Não é possível, no momento, estabelecer correlação entre as ações criminosas”, conclui a nota.
Acompanhe o caso:

Tribuna do Ceará

Nenhum comentário:

Postar um comentário