quinta-feira, 28 de julho de 2016

Polícia prende suspeitos de estupro coletivo a mulher com transtornos

Dois homens foram presos por suspeita de participação em um estupro coletivo contra uma mulher no Crato, na região do Cariri. A vítima contou à polícia que sofre de transtornos mentais. O crime, que foi filmado por pessoas que estavam próximo ao local, aconteceu em agosto do ano passado, mas a prisão preventiva foi cumprida nesta quarta-feira (27). Nesta quinta-feira (28), os suspeitos foram interrogados e assumiram participação no caso. A polícia ainda não localizou um terceiro suspeito

A vítima é uma agricultora de 39 anos do município. Segundo o delegado Diogo Galindo, a mulher possui transtornos mentais e toma medicação controlada. Em 30 de agosto de 2015, os três homens estavam em um bar com a vítima.

"Ela estava embriagada, em estado de torpeza, e faz uso de medicação controlada, já foi internada em clínicas para pessoas com transtornos mentais. Segundo relatos de um dos suspeitos, a mulher chegou a desmaiar e ficar desacordada. Ela foi levada pelos suspeitos para um matagal próximo ao bar e praticaram o estupro", descreve o investigador.

O delegado conta que algumas pessoas que estavam no bar desceram para o matagal e filmaram. "Pelas imagens, a gente consegue perceber pelo menos três filmagens", diz. A polícia não tem a identificação de quem filmou a ação.


A vítima prestou depoimento à Delegacia de Defesa da Mulher do Crato, mas a investigação passou para a Delegacia Regional do Crato. "Em razão do estado de torpeza e pelos transtornos, ela não sabia afirmar quem eram os rapazes. Conseguimos identificar três pessoas e realiza a prisão temporária de dois deles", diz o delegado.

Um dos suspeitos é um pedreiro de 42 anos com passagens pela polícia por ameaça e crime ambiental. Ele estava internado há alguns meses em uma clina em Barbalha para tratamento de alcoolismo. O segundo suspeito preso é um servente de 29 anos sem passagens pela polícia.

Em depoimento, eles assumiram, mas divergem sobre a participação de cada um. "Mas confessam que participaram, estavam na cena do crime, e confirmaram a identificação do terceiro suspeito".

O delegado acrescentou que se trata de um crime hediondo, por ser estupro de vulnerável, e, se condenados, podem pegar de 8 a 15 anos de prisão.


G1 CE

Nenhum comentário:

Postar um comentário