sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Limoeiro do Norte entre as cidades mais violentas do Brasil, aponta estudo

Clique na imagem para ampliar
Dos 150 municípios brasileiros que registraram a maior taxa de homicídios por arma de fogo, 20 são cearenses. No levantamento, que inclui cidades com população superior a 10 mil habitantes, Eusébio, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), aparece em quinto lugar no ranking nacional de assassinatos. A segunda cidade do Ceará na lista é Quixeré, que figura em 12º lugar. A Capital ficou na 23º posição. Limoeiro do Norte, integra o estudo na 90° posição com 25 mortes em 2012, 28 homicídios em 2013 e 34 em 2014.
Os dados são referentes à média de crimes ocorridos entre 2012 e 2014 e levam em conta a proporção de homicídios para cada 100 mil habitantes. Os números constam no Mapa da Violência 2016: Homicídios por armas de fogo no Brasil, divulgado hoje, que disponibiliza as estatísticas nacionais mais recentes. O estudo revela que o Ceará é o segundo estado mais violento do País.
Em números absolutos, o Estado registrou 3.792 assassinatos por arma de fogo em 2014, ocupando a segunda colocação no ranking nacional liderado pela Bahia, com 4.441 casos. Considerando a proporção por número de habitantes, o Estado se mantém na mesma posição, com uma taxa de 42,9 mortes. A listagem é liderada por Alagoas, com índice de 56,1. Sergipe aparece em terceiro lugar, com 41,2 casos. No ano 2000, o Ceará ocupava a 19ª posição, com taxa de 9,4.
Em nota, a Secretaria da Segurança Pública Pública e Defesa Social (SSPDS) ressaltou que “os dados divulgados são antigos e não refletem os atuais índices estatísticos de Fortaleza e do Ceará”. E citou: “Em 2015, se comparado com 2014, o Estado registrou uma queda de 9,5% e Fortaleza, 17%, nos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), que englobam homicídios, lesões corporais seguidas de morte e latrocínios. Os sete primeiros meses de 2016 apresentaram redução de 12,2% nos casos de CVLIs, no Estado, já a Capital teve baixa de 37,6%, se comparado com o mesmo período do ano passado”.
Mapa da Violência 2016
Informação com base na notícia de O Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário