terça-feira, 27 de setembro de 2016

Justiça anula julgamentos que condenaram PMs pelo massacre do Carandiru

Terça-feira, 27 de Setembro de 2016, às
20:30h.

24 ANOS DEPOIS

Justiça anula julgamentos que condenaram PMs pelo massacre do Carandiru

O recurso da defesa dos policiais foi deferido parcialmente - os julgamentos foram anulados, mas os PMs continuam réus do processo

    

O Massacre do Carandiru ocorreu no dia 2 de outubro de 1992 ( Foto: Agência Brasil )

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) anulou nesta terça-feira (27), os julgamentos dos 74 policiais militares acusados pelo massacre do Carandiru, em que 111 detentos foram mortos, em 1992.

A Justiça apreciou recurso da defesa dos policiais, que pedia a anulação do julgamento e a absolvição dos réus. O recurso foi deferido parcialmente - os julgamentos foram anulados, mas os PMs continuam réus do processo.

Em 2 de outubro de 1992, homens da Tropa de Choque e da Ronda Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), da Polícia Militar paulista, receberam a autorização para entrar no Pavilhão 9 da Casa de Detenção do Carandiru com o objetivo de encerrar uma rebelião. De lá, horas mais tarde, foram retirados 111 corpos de detentos mortos pelo massacre das forças de segurança. 

A chacina ficou marcada como a mais letal intervenção policial já feita em uma unidade prisional por servidores do Estado. O comandante do policiamento metropolitano na época, coronel Ubiratan Guimarães, chegou a ser condenado pela Justiça em 2001, mas acabou absolvido das acusações em instâncias superiores.

Em 2013 e 2014, em um dos mais longos julgamentos da história da Justiça brasileira, os policiais militares foram condenados em 1.ª instância pelo massacre, com penas de até 654 anos.

FONTE:  Diário do Nordeste

NO MARANHÃO - Pai mata traficante após vídeo íntimo da filha ser divulgado em rede social.

Um vídeo íntimo motivou um assassinato de um criminoso de São Luís, capital do Maranhão. As imagens de um jovem de 22 anos, tendo relações...