sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Negociações com o governo não avançam e policiais civis devem deflagrar greve geral neste sábado

Publicado: Sexta-feira, 23 de Setembro de 2016, às 10:25h.

Negociações com o governo não avançam e policiais civis devem deflagrar greve geral neste sábado

Uma reunião marcada para logo mais à tarde, entre representantes do governo do Estado e a categoria dos policiais civis do Ceará pode ser a última tentativa de negociação entre as partes e assim evitar a deflagração de uma greve geral da categoria. Mas, segundo a direção do sindicato que congrega inspetores e escrivães, até o momento a equipe governamental não apresentou nenhum sinal de atendimento às reivindicações da classe. A greve é iminente e pode começar neste sábado (24), às 14 horas.

Segundo presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Ceará (Sinpol), Lucas da Silva,  a equipe do governador Camilo Santana (PT) ainda não falou nada de concreto acerca da reposição salarial da categoria. A desvalorização por parte do governo estadual aos homens que formam a Polícia Judiciária do Ceará e tamanha que nenhum dos pontos da pauta de reivindicações foi atendido. Enquanto isso, a categoria permanece mobilizada.

Além da melhoria salarial, a redução da enorme diferença de vencimentos de inspetores e escrivães em relação aos delegados de Polícia, a classe luta por melhores condições de trabalho, fim dos desvios de função e novos concursos para a instituição oferecer atendimento de qualidade à população. Nada disso foi assegurado pelo governador e seus secretários.

(Delegacias)
A poucas horas de expirar o prazo de 72 horas que a categoria deu ao Governo para uma resposta, o Sinpol não vê observa perspectivas de uma resposta positiva para a classe e já prepara uma escala de delegacias que deverão funcionar caso a greve seja realmente oficializada neste sábado.

Na última quarta-feira (21), a categoria de policiais civis do Ceará aderiu a uma paralisação nacional da classe e aproveitou a oportunidade da mobilização para realizar uma assembleia-geral em que foi decidida a deflagração da greve em até três dias (72 horas) caso o governo não acenasse com o atendimento à pauta de reivindicações dos profissionais. 

(POR FERNANDO RIBEIRO)

Nenhum comentário:

Postar um comentário