terça-feira, 18 de outubro de 2016

Polícia tenta identificar casal que assassinou comerciante português durante assalto no Montese

CEARÁ PACÍFICO???

Polícia tenta identificar casal que assassinou comerciante português durante assalto no Montese

Nuno Portugal Torres, 39, morava há cinco anos em Fortaleza

VEJA O VÍDEO DO MOMENTO DO ASSALTO:

A Polícia Civil  retoma hoje (18) as investigações sobre o assassinato de um comerciante português, em Fortaleza. O crime ocorreu na tarde de ontem (18), quando um casal assaltou a loja de informática e joias da vítima no Montese, mesmo bairro onde, na última sexta-feira (14), um oficial da PM também foi morto por assaltantes.

O português Nuno Antônio Portugal Torres, 39 anos, casado com uma cearense e pai de uma criança, morava no Ceará há cerca de cinco anos. Ele residia com os sogros numa casa na Rua Eusébio de Queirós, no Montese, onde também instalou uma loja de artigos de informática, jogos eletrônicos e joias. Vendia também relógios importados.

Segundo a Polícia, um casal teria entrado em contato com Nuno, através das redes sociais, se dizendo interessado nos relógios importados. Ontem à tarde, os supostos clientes apareceram na loja e foram atendidos diretamente pelo português.

Filmado

As imagens gravadas pelas câmeras do estabelecimento gravaram o momento em que o casal entra na loja e passa a ser atendido. Nuno está mostrando um dos relógios importado ao casal quando, de repente, o homem saca uma arma. Rapidamente, o português trava uma luta corporal com o assaltante tentando desarmá-lo.  Dois funcionários dele também entram na luta mas logo desiste, pois um deles recebe um tiro no pé.

Em seguida, o bandido dispara mais tiros e mata o comerciante. A mulher tenta fugir, mas dá meia volta e apanha o relógio importado. Em seguida, o casal desaparece.

O caso deverá ser investigado pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), visto tratar-se de um caso de latrocínio (roubo seguido de morte). A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP)  está colaborando nas diligências.

Jornalista Fernando Ribeiro


Nenhum comentário:

Postar um comentário