terça-feira, 11 de abril de 2017

BRASIL Fachin abre inquérito contra políticos e atinge governo Temer. Lista do ministro foi divulgada nesta terça (11/4) e inclui nove ministros de Temer. Presidentes da Câmara e do Senado também são citados. 


Daniel Ferreira/Metrópoles


Foi divulgada, na tarde desta terça-feira (11/4), a lista de políticos que tiveram pedidos de abertura de inquérito assinados pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), com base nas delações premiadas de executivos e ex-integrantes da empreiteira Odebrecht. O rol atinge fortemente o governo do presidente Michel Temer (PMDB). As informações foram divulgadas pelo jornal “O Estado de S.Paulo”.

PUBLICIDADE

Entre os investigados, há nove ministros do governo Temer, 29 senadores e 42 deputados federais, incluindo os presidentes das duas Casas do Congresso Nacional. Ainda serão investigados três governadores e um ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), além de 24 outros alvos, como prefeitos e deputados estaduais.

Mais sobre o assunto

Confira os 108 nomes dos investigados na lista de Edson FachinLava Jato: Marcelo Odebrecht é interrogado em ação que envolve PalocciGoverno Cabral “roubou em todas as áreas”, diz procurador da Lava Jato“Não há super-homem na Lava Jato”, diz Rodrigo Janot

O grupo faz parte do total de 108 alvos dos 83 inquéritos que a Procuradoria-Geral da República (PGR) encaminhou ao STF com base nos depoimentos de 40 dos 78 delatores do Grupo Odebrecht.

Aécio, Jucá e Renan
Os senadores Aécio Neves (MG) e Romero Jucá (RR), respectivamente presidentes do PSDB e do PMDB, são os políticos com o maior número de inquéritos a serem abertos: cinco cada. O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), ex-presidente do Senado, vem em seguida, com quatro.

Os crimes mais frequentes descritos pelos delatores são de corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Há também menções a formação de cartel e fraude a licitações.

Entre os integrantes do governo Temer, serão investigados os ministros Eliseu Padilha (PMDB), da Casa Civil; Moreira Franco (PMDB), da Secretaria-Geral da Presidência da República; Gilberto Kassab (PSD), da Ciência e Tecnologia; Helder Barbalho (PMDB), da Integração Nacional; Aloysio Nunes (PSDB), das Relações Exteriores; Blairo Maggi (PP), da Agricultura; Bruno Araújo (PSDB), das Cidades; Roberto Freire (PPS), da Cultura, e Marcos Pereira (PRB), da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Padilha e Kassab responderão em duas investigações, cada.


Citação a Temer
Michel Temer também é citado nos pedidos de abertura de dois inquéritos, mas a Procuradoria-Geral da República não o inclui entre os investigados porque o presidente da República só pode ser investigado por crimes que decorram do exercício do mandato.

A PGR pediu, em 14 de março, a abertura de 83 inquéritos no STF e solicitou 211 declínios de competência para outras instâncias. (Com informações do Estado de S.Paulo)

REDACAO@METROPOLES.COM

LIMOEIRO DO NORTE-CE​: Acidente de trânsito​

Informações extraoficiais dão conta de um acidente de trânsito, que veio a ocorrer por volta de 13:00hrs, na Av. Dom Aureliano Matos, em fr...