quarta-feira, 12 de abril de 2017

MALOTE E ARMA LEVADOS Vigilante é morto durante assalto em Casa Lotérica. A Polícia afirma que os suspeitos já tinham informação privilegiada sobre a movimentação financeira da agência.


Quatro vigilantes estavam no carro-forte. Um ficou no veículo, dois foram fazer a segurança da Lotérica, e a vítima fez o transporte do malote
( Fotos: Kid Júnior )

00:00 · 12.04.2017 por Emanoela Campelo de Melo - Repórter


O bando atirou no vigilante e pegou o malote que ele levava para o carro-forte. A quantia subtraída não foi divulgada. A pistola da vítima também foi roubada

O vigilante Antônio Luís Alexandre Sousa, de 24 anos, foi morto, ontem, durante um assalto em uma Casa Lotérica, localizada na Rua Emílio de Meneses, no bairro Granja Lisboa. Conforme a Polícia, o profissional de uma empresa privada foi surpreendido pelos criminosos e atingido por disparos na cabeça, quando fazia o transporte de um malote de dinheiro da Casa Lotérica até o carro-forte.

O delegado adjunto da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), Eduardo Tomé, afirmou que a ação teve o envolvimento de sete suspeitos. O grupo, ainda não localizado, empreendeu fuga em dois veículos: um Celta, de cor preta; e um Corsa, de cor branca, roubado no último dia 27. Além do dinheiro, os criminosos subtraíram do vigilante ferido uma pistola calibre 380.

As informações preliminares fornecidas pelos outros vigilantes à Polícia são de que, pelo menos, dois suspeitos já estavam dentro da lotérica se passando por clientes. "Com certeza tinham informação privilegiada da movimentação financeira do local. Eles sabiam do recolhimento do dinheiro e se utilizaram desse momento que os vigilantes saíam do carro, para praticar o assalto sem dar tempo para reação. Não chegou haver troca de tiros", afirmou o delegado.

Ação criminosa

A Polícia detalha que vinham no carro-forte quatro vigilantes. Dois entraram na Casa Lotérica para fazer a segurança interna do local, enquanto Antonio Luís transportava o montante. Quando a vítima se aproximava do carro-forte o roubo foi anunciado. "Foi rendido quando já estava com o malote. Eles contaram que um dos criminosos disse: 'Perdeu, perdeu. Não reaja'. Nisso tomaram a arma", afirmou o sargento da Polícia Militar, Raimundo Ferreira Chaves, que atendeu a ocorrência.

Conforme o delegado Eduardo Tomé, um outro integrante do bando ficou junto ao vigilante que conduzia o carro-forte para que ele não reagisse. Antes de fugir, o bando ainda teria parado defronte ao carro-forte e efetuado diversos disparos para cima, na intenção de intimidar os vigilantes e fazer com que eles não atirassem em direção aos veículos em que estavam.

"Atirou na vítima à queima roupa e ela mesmo baleada ainda deu alguns passos antes de cair. Nós já recolhemos as imagens do local e interditamos. Os vigilantes estavam em choque e devem nos contar mais detalhes posteriormente. Agora estamos trabalhando nas investigações para saber quem são os responsáveis", disse Eduardo Tomé.

Sobre as diligências em busca dos suspeitos, o sargento Raimundo Chaves lembra que sua equipe chegou a ir atrás do grupo, que fugia em direção a Parangaba, mas não encontraram os veículos. "Voltamos para o local do crime e outras viaturas seguem nessa busca. As testemunhas disseram que os sete eram homens", acrescentou. Até o fechamento desta edição, ninguém havia sido detido.

© Diário do Nordeste

©Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.

Tabuleiro do Norte: Homem sofre tentativa de homicídio em bar

Informações extraoficiais dão conta de uma tentativa de homicídio à bala, que veio a ocorrer no mutirão Vila Macena, em Tabuleiro do Norte...