domingo, 2 de abril de 2017

MUNDO Deslizamento na Colômbia deixa mais de 250 mortos. Vários rios transbordaram, pontes foram destruídas, casas ficaram soterradas e carros foram arrastados pela água em Mocoa, no Sul do país.

Por Da redação

Mais de 250 pessoas morreram e 400 ficaram feridas em um deslizamento de terra na província de Pututmayo, no Sul da Colômbia. (EJERCITO DE COLOMBIA/AFP)

O deslizamento de terra na cidade de Mocoa, capital do departamento do Putumayo, no Sul da Colômbia, deixou pelo menos 254 mortos, de acordo com o último relatório divulgado pelas Forças Armadas do país, que estão trabalhando no resgate. Segundo o comunicado, atragédia que atingiu Mocoa na madrugada de sábado fez ainda 400 feridos e deixou 200 pessoas desaparecidas.

Veja também

MundoGoverno da Colômbia e Farc revisam implementação de acordo de pazquery_builder25 mar 2017 - 18h03

MundoJuan Manuel Santos é investigado por financiamento ilegalquery_builder15 mar 2017 - 13h03

Chuvas fortes causaram o transbordamento de vários rios, jogando sedimentos contra casas e estradas na capital provincial de Mocoa. Segundo as equipes de resgate colombiana, 17 bairros de Mocoa foram afetados. Pontes foram destruídas e veículos arrastados pelas fortes correntezas. As buscas por sobreviventes ainda continuam. Mais de 1.100 soldados e oficiais estão trabalhando nas buscas na cidade, que conta com 345.000 habitantes.

Fotos divulgadas no Twitter pela força aérea mostravam ruas cheias de lama e casas danificadas, enquanto vídeos de celulares nas mídias sociais mostravam moradores buscando por sobreviventes.

“É uma área grande”, disse à rádio Caracol o prefeito de Mocoa, José Antonio Castro. “Uma grande parte das muitas casas foi tomada pela avalanche, mas acima de tudo as pessoas foram avisadas com tempo suficiente para sair, mas casas em 17 bairros foram devastadas.”
Um morador da cidade, Alberto Medina, contou ao jornal local El Tiempo que as chuvas começaram na noite de sexta-feira, mas por volta da meia-noite os alarmes de emergência começaram a soar e as pessoas saíram de suas casas em busca de refúgio. Segundo Medina, os hospitais da cidade estão lotados e faltam medicamentos, cobertores e instrumentos cirúrgicos para atender todos os feridos.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, foi até a área, para supervisionar os trabalhos de resgate e conversar com as famílias afetadas. “Toda a capacidade do Estado está voltada para apoiar o trabalho humanitária e de busca e resgate”, escreveu Santos em seu Twitter sobre a tragédia.

O deslizamento supera o mais recente desastre natural da Colômbia, o de outra avalanche que destruiu em 18 de maio de 2015 a cidade de Salgar, no departamento de Antioquia, deixando pelo menos 104 mortos.

(Com agência EFE)