sexta-feira, 7 de abril de 2017

MUNDO Guerra na Síria: da repressão a manifestações populares ao ataque americano contra Assad. Conflito já dura seis anos e matou centenas de milhares de pessoas.


Por G1*

Combatente da brigada Failaq al-Rahman faz disparos a partir de distrito dominado pelos rebeldes na região leste de Damasco, na Síria (Foto: Amer Almohibany / AFP)

O conflito sírio teve início em 15 de março de 2011 com protestos pacíficos que foram reprimidos com violência e não tardaram em se transformar em uma insurreição contra o regime do presidente Bashar al-Assad.

Com o passar do tempo, o conflito se tornou cada vez mais complexo, com o envolvimento de extremistas islâmicos e a intervenção de potências regionais e internacionais. Nesta quinta (7), os EUA, sob o comando de Donald Trump, lançaram seu primeiro ataque direto contra o regime de Bashar Al-Assad, bombardeando a base aérea de onde teria partido o ataque químico sobre uma cidade na região de Idlib.

Em seis anos, a guerra fez mais de 400 mil mortos e deslocou outros 4,5 milhões, segundo estimativa da ONU. Relembre os principais fatos que levaram a Síria ao estado atual:

Revolta e repressão

Manifestantes enterram vítimas da repressão policial na cidade síria de Deraa, em 2011 (Foto: AP )

Em 15 de março de 2011, em Damasco, manifestações por "uma Síria sem tirania". Violenta repressão dos protestos na capital e em Deraa, berço da rebelião no sul do país. O regime denuncia uma "rebelião armada de grupos salafistas".

Em 23 de março, a repressão em Deraa deixa pelo menos 100 mortos, segundo testemunhas e ativistas de direitos humanos. Os protestos haviam começado com a prisão de estudantes suspeitos de terem feito pichações.

Em abril, a contestação se estende e se radicaliza, com apelos à queda do regime de Bashar Al-Assad, cuja família governa o país com mão de ferro há 40 anos.

Em julho, um coronel refugiado na Turquia cria o Exército Sírio Livre (ESL), integrado principalmente por civis e desertores. Grupos de tendência islamita aderam à rebelião.

A aviação, âncora do regime

Carro atingido por bombardeio em Aleppo, segunda principal cidade síria, nesta segunda-feira (1º) (Foto: AP )

Em 1º de março de 2012, o exército toma o bairro de Baba Amr, reduto da rebelião em Homs (centro), após um mês de conflitos e bombardeios, com centenas de mortos, segundo organizações não governamentais.

Em 17 de julho, o ESL lança a batalha de Damasco. O governo mantém o controle da capital, mas algumas periferias passam ao controle rebelde.

Em agosto, entram em ação as armas pesadas, entre elas aviões bombardeiros.

E a partir de 2013, helicópteros e aviões do regime passam a lançar de forma regular barris de explosivos contra os bairros rebeldes no país.

Irã e Hezbollah no jogo

Em 14 de fevereiro, os Guardiões da Revolução, força de elite do regime iraniano, anunciam a morte de um de seus comandantes pelos rebeldes sírios. O chefe dos Guardiões já havia admitido em setembro que tinha enviado "assessores" militares à Síria.

Em abril de 2013, o chefe do Hezbollah libanês, aliado do Irã, reconhece o envolvimento de seus combatentes ao lado do regime. O Irã xiita é o principal aliado do regime de Assad.

Armas químicas

Em 21 de agosto, o regime lança ofensivas contra duas zonas controladas pelos rebeldes perto de Damasco. A oposição e os países ocidentais acusam o regime de ter feito centenas de vítimas com gases tóxicos.

Os Estados Unidos evocam um número de ao menos 1.429 mortos, incluindo 426 crianças.

Em setembro, um acordo entre Rússia e Estados Unidos para desmantelar o arsenal químico sírio antes de meados de 2014 freia um iminente bombardeio norte-americano em resposta aos ataques com gases tóxicos.

Crescimento dos extremistas islâmicos

Jihadistas do Estado Islâmico exibem suas armas e bandeiras do grupo em comboio em uma estrada de Raqqa, na Síria, em maio de 2015 (Foto: Militant website via AP)

Em 2014, o grupo extremista Estado Islâmico (EI) assume o controle de vastas regiões no norte do país, eclipsando a rebelião. Raqqa se torna seu reduto.

Desde 2013, extremistas islâmicos, principalmente da Frente al-Nusra (posteriormente rebatizada de Fateh al-Sham), reforçaram sua presença no norte.

Ataques internacionais

Em setembro de 2014, Barack Obama estabelece uma coalizão internacional contra o EI.

Os curdos da Síria, que desde 2013 estabeleceram uma administração autônoma em zonas do norte do país, assumem o controle, com o apoio dos ataques da coalizão, regiões estratégicas das mãos do EI, incluindo Kobane, em 2015.

Moscou socorre Damasco

Mulheres caminham em rua de Aleppo no dia 9 de março de 2017 diante de poster dos presidentes da Síria, Bashar al-Assad, e Rússia, Vladimir Putin; controle da cidade foi retomado em dezembro de 2016 (Foto: JOSEPH EID / AFP)

Em 30 de setembro de 2015, a Rússia inicia uma campanha de ataques aéreos, afirmando visar grupos "terroristas", incluindo o EI.

Mas os rebeldes e o Ocidente acusam Moscou de atacar os grupos rebeldes, principalmente moderados.

Esses ataques ajudam o regime, então em grande dificuldades, a recuperar terreno.

Intervenção turca

Em 24 de outubro de 2016, a Turquia, que apoia a rebelião, lança uma operação do outro lado de sua fronteira para expulsar o EI, mas também as milícias curdas.

Retomada de Aleppo

Sírio dirige em meio a escombro de prédios no bairro de Aghiour, em Aleppo (Foto: Joseph Eid/AFP)

Em 22 de dezembro de 2016, após um cerco sufocante aos bairros rebeldes de Aleppo e uma ofensiva devastadora, o regime reassume o controle total da segunda maior cidade do país. Milhares de rebeldes e civis são evacuados sob um acordo patrocinado pelo Irã, Rússia e Turquia.

Em 30 de dezembro, um cessar-fogo entra em vigor, em virtude de um acordo russo-turco, sem os Estados Unidos.

Radicais pressionados

Raqqa, principal reduto do EI na Síria, passa a ser visado a partir de novembro de 2016 por uma ofensiva de uma aliança curo-árabe apoiada por Washington, as Forças Democráticas Sírias (FDS). A Turquia, hostil aos curdos, opõem-se a retomada de de Raqa pelas FDS. O regime sírio também anunciar que a retomada de Raqa é sua prioridade.

Novo ataque químico

Homem socorre criança após ataque químico em Idlib, no norte da Síria, nesta terça-feira (4) (Foto: Edlib Media Center, via AP)

Em 4 de abril, um bombardeio aéreo libera "gás tóxico" na província de Idlib, no norte da Síria, matando mais de 80 pessoas. As potências ocidentais acusam Assad de ter comandado o ataque. O Conselho de Segurança da ONU não consegue aprovar um texto contra o regime sírio porque a Rússia se opõe.

Resposta americana

Embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, exibe fotos de vítimas de ataque químico na Síria (Foto: Bebeto Matthews/AP)

Três dias depois, diante da falta de resposta conjunta da ONU, Donald Trump ordena um bombardeio à base aérea de Al Shayrat, perto de Homs, tendo como alvo, segundo Washington, “aeronaves, abrigos de aviões, áreas de armazenamento de combustível, logística e munição, sistema de defesa aérea e radares”.

Posições na guerra da Síria (Foto: Arte G1)

*Com informações da France Presse.

BASHAR AL-ASSAD 

SÍRIA

globo.com

© Copyright 2000-2017 Globo Comunicação e Participações S.A.

UNILAB Suspeito de atirar em estudante deve se entregar nas próximas horas, afirma Polícia. Homens do Batalhão de Baturité estão de campana em Alto Santo Antônio, em Redenção, onde fica a suposta residência do acusado.

por Redação Diário do Nordeste Karliano e a estudante Thaislane Marcelino de Oliveira tiveram um namoro conturbado entre um e dois anos - ...