domingo, 9 de abril de 2017

PROPOSTA DE EMENDA Proposta no Senado quer fim de isenção fiscal para igrejas. A proposta de iniciativa popular vem irritando bancadas religiosas do Congresso.

"Fim da imunidade tributária para entidades religiosas (igrejas)" é a ideia do texto assinado pela engenheira Gisele Helmer, 32. Os constantes escândalos financeiros que líderes religiosos protagonizaram, bem como o fato de o Estado ser uma instituição laica, são os problemas identificados por ela.

A proposta de iniciativa popular vem irritando bancadas religiosas do Congresso. O deputado e pastor Lincoln Portela (PRB-MG) cobrou ações, em culto com parlamentares evangélicos numa sala da Câmara, na quarta, 5.

O tema está sob discussão no Senado, que decidirá agora o que fazer do texto (engavetá-lo ou transformá-lo em Proposta de Emenda à Constituição).

Gisele quer o fim do direito que "templos de qualquer culto" têm de não pagar IPTU e Imposto de Renda sobre dízimos, por exemplo. A garantia está na Constituição, escrita "sob proteção de Deus", como diz seu preâmbulo.

A proposição é o que o SepastorZhama de "Ideias Legislativas", que podem ser enviadas por qualquer cidadão pelo site www.senado.leg.br/ecidadania. Senadores analisam as que ultrapassarem 20 mil apoios na internet. 18 delas têm o status, como a pelo fim do estatuto do desarmamento, e uma miríade acumula menos de mil suportes, entre elas "trabalho somente para brasileiros na costa do Brasil".

Relator da sugestão de Gisele, o senador José Medeiros (PSD-MT) afirma que marcará para breve audiência pública na Comissão de Direitos Humanos da Casa e promete entregar seu relatório até junho.

Medeiros conta ter recebido de partes interessadas "estudos sobre a contrapartida das igrejas ao Estado". Tese: essas entidades teriam papel social (como a assistência a viciados em drogas) não só moralmente louvável, como financeiramente valioso. "A pesquisa mostrava que, a cada R$ 1 de isenção, elas devolviam R$ 5 para a União."

Também se reuniu "com pessoas alegando que o dinheiro que o Estado poderia recolher é usado [por pastores] para enriquecimento ilícito, até para comprar aviões".

Medeiros aponta que a extinção da imunidade fiscal afetaria "todos os credos", o que preocupa "de espíritas a adventistas". Ele próprio organizou sessão solene no Senado para sua igreja, a presbiteriana, em 2015. Diz-se ainda "fruto de ação da Igreja Católica". "Morava na roça, e um padre passou arrebanhando crianças para poder estudar."

De Vila Velha (ES), a autora diz que produziu a proposta por ter "dó dos que são explorados pela fé, por um pastor que ouve que você recebeu o FGTS e pede para doar tudo".

Gisele é ateia, mas filha e sobrinha de fiéis batistas. "Minha tia é até tesoureira da igreja. Uma PEC pode fortalecer igrejas que levam [o trabalho social] a sério. Quem não quer lucrar com isso não vai ser prejudicado."

Igrejas arrecadaram R$ 20 bilhões no Brasil em 2011 (metade do orçamento da capital paulista), reportou a Folha de S.Paulo, com dados da Receita Federal.

Fonte: Diário do Nordeste

MULHER É ASSASSINADA COM TIRO NA CABEÇA NA ZONA RURAL DE TIANGUÁ

Um crime de feminicidio ocorreu na tarde desta segunda (18), na localidade conhecida como “Sitio Laranjeiras”, na zona rural de Tianguá....