domingo, 9 de abril de 2017

REGULAMENTAÇÃO Comissão da PEC da Vaquejada vota parecer na terça-feira (11). A Comissão Especial destinada à apreciação da PEC 304/17, que regulamenta a vaquejada e outras práticas desportivas que envolvem animais, se reunirá na próxima terça (11), na Câmara dos Deputados em Brasília (DF), para votar o parecer do relator, deputado Paulo Azi (DEM-BA).

Regulamentação
Do Miséria

 


A reunião acontecerá às 14h30. Dentre os deputados cearenses, participam da comissão o deputado Domingos Neto (PSD), também terceiro vice-presidente do grupo, Vitor Valim (PMDB) e Adail Carneiro (PP). 

Na avaliação de Domingos Neto, a formação da Comissão Especial reúne interesses para além do setor da vaquejada, "com a inclusão de outros esportes equestres". O deputado prevê que, quando a medida for para a votação no plenário principal da Câmara dos Deputados, os defensores da proposta enfrentarão "um grande debate, pois tentam difamar a vaquejada sem explicar as novas regras que existem", alega o parlamentar cearense.

O texto da ementa detalha que a medida "acrescenta § 7° ao art. 225 da Constituição Federal para determinar que práticas desportivas que utilizem animais não são consideradas cruéis, nas condições que especifica".

De autoria do senador Otto Alencar (PSD/BA), a PEC passou pelo Senado Federal, em votação, no último dia 14 de fevereiro. Antes, em outubro do ano passado, um processo do Supremo Tribunal Federal (STF) tinha declarado a vaquejada como uma prática inconstitucional, por causar sofrimentos aos animais.

Na vaquejada, defendida pela PEC como parte legítima da cultura nordestina, um boi é solto, enquanto dois vaqueiros, montados a cavalo, tentam derrubar, pela cauda, o animal que se soltou. 

Consulta pública

A medida, quando foi apreciada pelo Senado, sob a definição de PEC 50/2016, foi submetida à consulta pública via Internet, e recebeu 17.728 votos a favor, e 63.405 contra. Ou seja, 78% dos usuários votaram contra a proposta. 

Para ser promulgada, a PEC vai precisar, no plenário da Câmara, do apoio de três quintos dos deputados (308 dos 513).

Durante a tramitação no Senado, a PEC foi defendida por parlamentares como o cearense Eunício Oliveira (PMDB), presidente do Congresso Nacional. Ele fez a defesa dos empregos que a atividade gera, e ainda argumentou que a vaquejada é uma tradição da cultura nordestina. 

Pela oposição, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) apontou que o texto seria incoerente em dizer que a prática não causaria dor aos animais, se o prejuízo à integridade animal já foi registrado através da ocorrência de problemas na medula, nas articulações ou no arrancamento do rabo dos bichos. 

STF

Em outubro de 2016, o STF tinha derrubado a regulamentação da vaquejada, em uma decisão que envolveu seis votos a favor (do veto), e cinco contra. A alegação, para determinar a inconstitucionalidade da atividade, seria a de que a prática fere princípios constitucionais de preservação do meio-ambiente. 

O ministro Marco Aurélio Mello foi relator da ação. Ainda votaram a favor do veto (e contra a realização da vaquejada), os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Celso de Mello, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

Contra o veto, e pela manutenção da atividade, votaram os ministros Edson Fachin, Gilmar Mendes, Teori Zavascki, Luiz Fux e Dias Toffoli.

Fonte: Diário do Nordeste

UNILAB Suspeito de atirar em estudante deve se entregar nas próximas horas, afirma Polícia. Homens do Batalhão de Baturité estão de campana em Alto Santo Antônio, em Redenção, onde fica a suposta residência do acusado.

por Redação Diário do Nordeste Karliano e a estudante Thaislane Marcelino de Oliveira tiveram um namoro conturbado entre um e dois anos - ...