quinta-feira, 4 de maio de 2017

AO ESTADO Justiça determina construção de nova cadeia no município de Coreaú. Atual estabelecimento prisional da cidade está em situação precária, com baixa capacidade de alojamento e problemas de salubridade, segurança e higiene.


De acordo com a relatora do processo, desembargadora Tereze Neumann, o prédio da cadeia pública de Coreaú "padece de condições estruturais salutares ao seu funcionamento regular"
( Divulgação )

A 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) determinou, nesta quarta-feira (03), a construção de uma nova cadeia no município de Coreaú, localizado na região Noroeste do Ceará. A decisão ocorreu após o Ministério Público (MPCE) ajuizar ação contra o Estado, no ano de 2014, em decorrência da situação precária do atual estabelecimento prisional da cidade. 

De acordo com a relatora do processo, desembargadora Tereze Neumann, o prédio da cadeia pública de Coreaú "padece de condições estruturais salutares ao seu funcionamento regular, com comprometimentos que vão desde as instalações elétricas e sanitárias até infiltrações e oxidação nas celas, submetendo a um estado crítico os detentos e os servidores lá lotados”.

Segundo o MPCE, o prédio é muito antigo, possui baixa capacidade de alojamento, e não atende aos parâmetros legais relativos à salubridade, segurança e higiene. Dessa forma, diz o Ministério Público, cabe ao Estado construir um novo estabelecimento prisional para atender às demandas do município.

O processo

Ainda em 2014, o Juízo da Vara Única da Comarca de Coreaú já havia determinado que o Estado promovesse a construção ou reforma da cadeia, reforçando a estrutura física do prédio e fornecendo condições adequadas de higiene aos detentos, além da construção da Casa do Albergado, com número de agentes prisionais suficientes a garantir aos detentos boas condições de higiene e salubridade, bem como a segurança dos funcionários encarregados da custódia.

Ocorre que o Estado apelou no TJCE, alegando ser "descabido o pedido" e defendendo a impossibilidade de intervenção judiciária na esfera executiva. Além disso, o ente público argumentou que não se pode exigir que a Administração direcione verbas para atender de forma privilegiada uma comunidade em detrimento de outras.

Além de negar a apelação do Estado, o TJCE estabeleceu multa diária de R$ 50 mil em caso de descumprimento do Estado e reforçou a obrigação que o ente público tem de construir uma nova cadeia. “Ao Poder Judiciário é permitida a adoção de medidas para implementação de políticas públicas em situações nas quais se mostra flagrante a violação aos direitos constitucionais tidos como essenciais, não havendo que se falar em indevida intromissão do Judiciário na seara executiva”, finalizou a desembargadora Tereze Neumann.

© Diário do Nordeste

©Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.

EXCLUSIVO: Preso em Fortaleza traficante chefe do Comando Vermelho em Santa Catarina

Leandro Madalena Schlosser, 27 ano, foi capturado ao chegar em seu apartamento, no Cambeba   Uma operação conjunta do Batalhão de P...