domingo, 28 de maio de 2017

O OLHAR DO CANDIDATO SOBRE A CRISE Ciro é contra a eleição direta para a substituição de Temer. O ex-governador do Ceará diz estar com dedicação exclusiva na preparação dos palanques estaduais.


Para Ciro, o PDT não participará da escolha do presidente no Congresso, embora ele seja contra a eleição direta propalada por outros políticos ( Foto: José Leomar )

por Edison Silva - Editor de política

Para Ciro Gomes (PDT), a crise política nacional está recriando o "bastidor", espaço importante para a busca de solução para os graves problemas, como os de agora. Ele não esconde sua posição contrária a eleição direta antes de 2018, senão no caso de antecipação para renovação de todos os mandatos previstos para terminarem em dezembro do próximo ano, improvável de ser aceita pelas diversas agremiações partidárias.

Certo da queda do presidente Michel Temer (PMDB), ele admite que nomes como o de Tasso Jereissati (PSDB), Nelson Jobim (PMDB), e do próprio Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que não representam a "vulgaridade" que são os vários outros citados, bem poderiam conduzir o País para uma eleição tranquila no ano seguinte.

Uma eleição direta, agora, além de exigir uma alteração na Constituição, ainda demandaria muito tempo para o eleito tomar posse, deixando tudo como está e precisa ser corrigido logo. A Constituição emendada exigiria do TSE a preparação da eleição com a definição de prazo para a campanha eleitoral, significando dizer que antes do fim do ano não teríamos um novo presidente que, empossado, seis meses depois estaria diante de uma nova disputa. Sem falar que, até a posse do novo eleito para concluir o atual mandato, Temer é quem permaneceria no cargo.

Reside

Os brasileiros amargarão uma outra grande frustração, neste semestre, se o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não concluir o julgamento do processo de Abuso de Poder, com possibilidades de cassação dos diplomas conferidos a Dilma Rousseff, já fora da presidência da República, e a Michel Temer, à época o seu vice e hoje o chefe da Nação.

Na Justiça Eleitoral reside a última esperança de defenestrarem Michel Temer, posto serem muito remotas as chances de efetivação de um novo Impeachment, como aconteceu com Dilma. E se isso, imperiosamente, tivesse de acontecer, o tempo de duração do processo machucaria mais ainda toda essa sofrida população.

Sem a cassação do diploma de vice-presidente, que lhe garantiu a ascensão à Presidência da República, só a renúncia imediata amenizaria a crise. E ele não renuncia sem ter garantias como as dadas aos delatores da JBS, ou seja, uma anistia, o indulto já comentado entre políticos, embora a grita possa vir a fazer tremer alguns segmentos, irresignados com os malfeitos denunciados, portanto sem a disposição de perdoar, mesmo sendo necessário ceder para estancar a continuidade do crime que deixa a Nação sangrando.

Estrutura

Mesmo acompanhando todo o desenrolar das questões políticas referentes à situação de Temer ainda presidente, Ciro busca consolidar a estrutura de sua campanha nos diversos estados brasileiros.

Ele diz já estar contando com os meios de ter mais de uma dezena de candidatos aos governos estaduais pelo PDT, admitindo alianças para apoiar postulantes de outras siglas e, em algumas localidades, como no Ceará, ter mais de um palanque, significando dizer que ele está contando com o apoio de Camilo Santana, mesmo ele ficando no PT, tendo este um candidato a presidente.

Camilo passa a ser um ponto de aproximação num possível segundo turno presidencial, onde Ciro admite ser possível estar, segundo as projeções de pesquisas recentemente feitas. A avaliação do ex-governador cearense não inclui Lula na relação dos presidenciáveis. Não só pela possibilidade de uma condenação judicial, que ele acha difícil acontecer em tempo hábil para impedir o registro da candidatura, mas por entendimento do próprio ex-presidente em razão dos fatos que têm sido vivenciados. O candidato do PT não sendo Lula, ele entende estar diante de um quadro diferente.

Pela leitura das pesquisas, ele admite ser a segunda opção do grupo ideológico onde está inserido o PT, o que o credenciaria a partir na disputa com a preferência de uns 15% do eleitorado, além do fato de estar sendo um dos pretensos candidatos mais acionados pelos diversos segmentos da sociedade a se manifestar sobre o momento atual e a formatação de propostas para as mudanças realmente reclamadas para um novo projeto de Governo para o País.

Efeitos JBS

Ciro credita a citação do nome de Cid Gomes pelo delator Wesley Batista, um dos donos da JBS, pedindo dinheiro para a campanha de Camilo Santana, como uma das muitas acusações a ele e a pessoas próximas dele com o objetivo de atingi-lo. "A intenção era me machucar, mas isso é zero. Cid é Cid, Ciro é Ciro. Depois, o comportamento do Cid sempre foi de lisura".

Para o pretenso presidenciável, esse discurso de financiamento de campanha é só "hipocrisia". Essa questão precisa imediatamente ser resolvida por quem tem competência para tal. "É um equívoco grosseiro" que atormentará aos candidatos no próximo ano. Para ele, os poderes Político e Econômico são irremovíveis e precisam estar se relacionando, porém, sem a promiscuidade constatada.

© Diário do Nordeste

©Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RIO DE JANEIRO Ator Dado Dolabella é preso por não pagar pensão alimentícia. Artista deve R$ 196 mil de pensão alimentícia a filho, segundo a polícia. Ao G1, Dado disse que valor pedido é de acordo com um contrato trabalho que não existe mais.

Por Patricia Teixeira, G1 Rio Dado Dolabella é preso por não pagar pensão alimentícia O ator Dado Dolabella foi preso no início da tarde...