quinta-feira, 11 de maio de 2017

RECEBIA SALÁRIO INDEVIDO MPF denuncia ex-prefeito de Massapê (CE) por estelionato. O Ministério Público Federal no Ceará (MPF/CE) denunciou o ex-prefeito do município de Massapê (Região Norte) João Pontes Mota por, durante mandatos exercidos entre 2005 e 2012, continuar recebendo o salário de servidor do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) além do subsídio de prefeito.


Recebia salário indevido
Do Miséria

O Ministério Público Federal no Ceará (MPF/CE) denunciou o ex-prefeito do município de Massapê (Região Norte) João Pontes Mota por, durante mandatos exercidos entre 2005 e 2012, continuar recebendo o salário de servidor do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) além do subsídio de prefeito.

Segundo o procurador da República Luiz Carlos Oliveira Júnior, autor da denúncia, o ex-gestor optou, no momento da posse na prefeitura, por continuar recebendo o salário do cargo efetivo que ocupava no Dnocs, sem, no entanto, abrir mão da remuneração de prefeito. A possibilidade de escolher entre as duas remunerações está prevista na Constituição Federal desde que o servidor público em exercício, ao assumir prefeitura, opte por apenas uma das rendas.

Na investigação, o MPF concluiu que o ex-prefeito agiu de má-fé ao escolher acumular ambas as remunerações, que em 2005 correspondiam a R$ 7,2 mil na Prefeitura e pouco menos de R$ 3,5 mil no DNOCS, valores que aumentaram em 2009 para cerca de R$ 10 mil e R$ 5 mil, respectivamente.

Na denúncia, o procurador destaca que "diante das opções remuneratórias, não é crível que o denunciado tenha feito a escolha menos favorável de boa-fé, tanto não foi que não abriu mão do subsídio de prefeito durante os dois mandatos, acumulando os proventos de maneira indevida".

Para o MPF, ao não comunicar ao município de Massapê que escolhia a remuneração do Dnocs, o ex-gestor praticou conduta fraudulenta, induzindo os dois órgãos pagadores ao erro. A conduta do ex-prefeito é agravada pelo fato dele ter escolhido repetir o esquema ao ser reeleito. Para o procurador Luiz Carlo Oliveira, o denunciado teve a oportunidade de agir de maneira correta no segundo mandato, mas não o fez.

Na denúncia, o MPF enquadra a conduta como estelionato, presente no artigo 171, parágrafo 3, combinado com os artigos 69 e 71, todos do Código Penal. Se condenado, o ex-prefeito pode pegar de um a cinco anos de prisão, além de multa.

Pelos mesmos fatos, o MPF também promoveu ação civil pública por improbidade administrativa contra João Pontes Mota.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Ceará

HORÓSCOPO DO DIA 20 DE AGOSTO DE 2017

Áries 21/03 a 20/04 regente: Marte Sua força de vontade e habilidade social são intensificadas pela associação de Lua e Marte na quinta c...