quarta-feira, 10 de maio de 2017

VIOLÊNCIA Ceará tem 173 casos de feminicídio em 12 meses. Morte violenta de mulheres é tema de discussão de encontro do Ministério Público no Ceará.

Conforme dados da Delegacia de Defesa da Mulher, 65% das mulheres mortas no Ceará são vítimas de feminicídio (Foto: Diário do Nordeste)

Em 12 meses - de março de 2016 a março de 2017- o Ceará registrou 173 casos de feminicídio, o quarto maior número do país. Desse total, quatro foram arquivados, 112 estão em investigação e 54 viraram denúncias pelo Ministério Público Estadual do Ceará (MPCE). Diante do cenário de violência, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) propõe medidas para solucionar os casos.

"Estamos desenvolvendo no Conselho Nacional do Ministério Público um projeto para reduzir o número de inquéritos de feminicídio no Brasil. Aqui, o índice de elucidação de crimes é muito baixo, de 5% a 8%. Quando descobrimos que é um crime de feminicídio, esse índice aumenta porque normalmente sabemos quem praticou o crime: o marido, o ex-marido, o namorado. A separação já gera um resultado positivo em termos de condenação criminal, que resulta em mais punição e na redução da sensação de impunidade", explica o juiz Valter Shuenquener, conselheiro nacional do Ministério Público.

Os números foram apresentados nesta quarta-feira (10) durante reunião do Grupo de Persecução Penal do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). No encontro, são discutidas formas de enfrentamentos à violência contra a mulher e analisará a situação atual do Cadastro Nacional de Violência Doméstica (CNVD).

Homicídio contra mulheres

O feminicídio é o homicídio praticado contra a mulher por razões da condição do sexo feminino. Especificamente: violência doméstica e familiar; menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Uma das alternativas para a elucidação dos casos de feminicídio, está a identificação dos inquéritos desse tipo de crime, que serão analisados prioritariamente. Identificados os casos de feminicípdio e, os ínquéritos serão separados dos demais e "marcados" com um selo de identificação.

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Brasil ocupa a quinta posição no ranking global de homicídios de mulheres, entre 83 países registrados pela Organização das Nações Unidas (ONU), atrás apenas de El Salvador, Colômbia, Guatemala e Rússia.

Em março, o CNJ pediu aos tribunais de todo o país informações sobre a estrutura das unidades especializadas no combate à violência contra a mulher. O CNJ quer saber como está a tramitação de processos que apuram casos de feminicídio e levantar dados estatísticos sobre a aplicação da Lei Maria da Penha.

De acordo com a ministra Cármen Lúcia, presidente do CNJ, o objetivo é conhecer detalhes do andamento dos processos que envolvem crimes contra a mulher e, a partir daí, comparar o número de inquéritos com o de processos já abertos na Justiça. Além do número de processos novos, pendentes ou baixados, estão entre as informações solicitadas pelo conselho a quantidade de varas e juizados especiais existentes nos estados e o número de servidores e especialistas que atuam nas unidades.

Pena

O feminicídio, que passou a valer em março de 2015, é uma qualificadora para o crime de homicídio praticado contra mulheres por razões de gênero. A lei considera a questão de gênero quando o crime envolve violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher. A pena é de 12 a 30 anos de prisão, maior do que para homicídio. E a punição pode ser aumentada se o crime for contra gestantes, menores de 14 anos ou maiores de 60.

globo.com

© Copyright 2000-2017 Globo Comunicação e Participações S.A.

BOLETIM POLICIAL VALE DO JAGUARIBE - 18/12/2017: Homicídio a bala em Icapuí, prisão por roubo e apreensão por arma de fogo em Aracati.

Neste domingo, dia 17, por volta das 23h, na localidade de Santa Tereza, zona rural, PMs foram informados de que cerca de quatro indivíduos...