sexta-feira, 26 de maio de 2017

VIOLÊNCIA SEM FIM Quinta-feira sangrenta na Grande Fortaleza, com 15 assassinatos e corpos nas ruas durante horas. A Grande Fortaleza viveu uma quinta-feira (25) sangrenta, marcada pela violência armada.  Ao menos, 20 corpos com ferimentos a tiros deram entrada no necrotério da Coordenadoria de Medicina Legal (Comel) da Perícia Forense do Ceará (Pefoce) na Capital. Nas ruas, a Polícia registrou 15 homicídios nas últimas 24 horas, entre eles, uma tripla execução sumária. Em alguns casos, cadáveres ficaram  expostos em vias públicas horas a fio, até que fossem periciados e recolhidos pelo rabecão.

Na Avenida Leste-Oeste, Gleydson André da Silva foi morto a tiros por volta de 16h30 ...

... e o corpo permaneceu no local até por volta de 23h40, quando equipe da DHPP apareceu

A Grande Fortaleza viveu uma quinta-feira (25) sangrenta, marcada pela violência armada.  Ao menos, 20 corpos com ferimentos a tiros deram entrada no necrotério da Coordenadoria de Medicina Legal (Comel) da Perícia Forense do Ceará (Pefoce) na Capital. Nas ruas, a Polícia registrou 15 homicídios nas últimas 24 horas, entre eles, uma tripla execução sumária. Em alguns casos, cadáveres ficaram  expostos em vias públicas horas a fio, até que fossem periciados e recolhidos pelo rabecão.

Foi o caso de um homem assassinado, a tiros, por volta das 16h30 na Avenida Presidente Castello Branco, a Leste-Oeste, no bairro Cristo Redentor, Zona Oeste da cidade.  O cadáver de Gleydson André da Silva, 33 anos, ficou estendido no meio da avenida por cerca de sete horas, somente sendo recolhido às 23h40, quando uma equipe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) apareceu no local para realizar as primeiras investigações e liberar a Perícia.

Tiroteio

Já no fim da noite, por volta das 23 horas, três pessoas foram baleadas e mortas no bairro Dias Macedo. O triplo homicídio ocorreu durante um tiroteio na Rua Amsterdã, localizada nas proximidades do Aeroporto Internacional Pinto Martins. Ainda de acordo com a Polícia Militar, outras três pessoas foram também feridas e levadas para o Instituto Doutor José Frota (IJF-Centro), duas delas em estado grave.

A sequência de homicídios na quinta-feira, porém, teve início ainda na madrugada, quando um homem foi executado ao sair de uma casa de shows de bandas de forró na Avenida Washington Soares (CE-040), no bairro Coaçu, na Grande Messejana. A vítima, conhecida por “Felipe Gambá” foi atacada na porta do clube e atingida com vários tiros. Conforme levantamentos da Polícia, “Felipe Gambá” seria membro da facção criminosa GDE (Guardiões do Estado).

Por volta de 16 horas, um homem foi assassinado com vários tiros dentro de uma borracharia localizada no Mondubim, a poucos metros da lagoa do bairro.  E na sequência, foram registrados homicídios em outros bairros da Capital e da RMF, como Barroso, Lagoa Redonda, Pavuna (em Pacatuba), Guaiúba, Maracanaú, Caucaia e Pacajus.

Reforço

Segundo policiais da DHPP, a quinta-feira foi dia “atípico”, com um número alto de homicídios na Grande Fortaleza, que fez aquela unidade solicitar reforço em suas equipes para o trabalho de investigação preliminar em locais de crimes. Até mesmo o diretor daquela Especializada, delegado Leonardo Barreto, teve que ir para as ruas junto com as equipes de inspetores, escrivães e peritos. Ele só deixou a sede da DHPP por volta de 4 horas desta sexta-feira.

Somente entre domingo (21) e quarta-feira, a Capital registrou 18 homicídios e a Região Metropolitana  outros 14, totalizando 32 assassinatos. 

Em Fortaleza, os 18 crimes de morte ocorreram nos seguintes bairros: Farias Brito, Jangurussu (2), Antônio Bezerra (2), Guajeru, Cajazeiras, Salinas (2), Barra do Ceará (2), Cristo Redentor, Mondubim, Demócrito Rocha, Bom Jardim, Palmeiras, Canindezinho e Passaré.

Na RMF, foram 14 assassinatos nos seguintes Municípios: Caucaia (6), Maracanaú (3), Aquiraz, Itaitinga, Pacatuba, Maranguape e Pacajus. 

Jornalista Fernando Ribeiro Copyright 2016

UMA VÍTIMA BALEADA Ex-coordenadora do Sistema Penitenciário do Ceará têm residência metralhada. A quadrilha utilizou armamento de grosso calibre, como fuzil e submetralhadora. Nenhum suspeito foi localizado.

A residência de uma  agente penitenciária , ex-coordenadora do Sistema Penitenciário do Ceará , foi alvo de um ataque criminoso na tarde de...