terça-feira, 6 de junho de 2017

ACUSAÇÃO Justiça Federal acata denúncia do MPF contra Cid Gomes, que vira réu em Sobral. Ex-governador, outras sete pessoas e uma empresa da cidade são acusados de crime financeiro por conta de um empréstimo de R$ 1,3 milhão, que não teria respeitado as regras do FNE.


Ex-governador do Estado, Cid Gomes é acusado de ter praticado crime contra o Sistema Financeiro Nacional em 2014
( Agência Brasil )

A 18ª Vara Federal de Sobral aceitou, na última sexta-feira (2), uma denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-governador Cid Gomes, outras sete pessoas e a empresa Corte Oito Gestão e Empreendimentos Ltda, que tem Cid como sócio. A acusação é de que os envolvidos teriam cometido crime financeiroem um empréstimo de R$ 1,3 milhão obtido em 2014 junto ao Banco do Nordeste do Brasil (BNB), que não teria respeitado as regras do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).

Uma ação por improbidade administrativa sobre o mesmo assunto já havia sido proposta pelo MPF na 10ª Vara da Justiça Federal no Ceará em janeiro deste ano. No mês seguinte, a procuradora da República em Fortaleza, Lívia Maria de Sousa, entrou com uma segunda denúncia, desta vez na esfera criminal, por crime finaneiro. A ação foi encaminhada para a 18ª Vara Federal, em Sobral, após declínio de competência, tendo em vista que atos necessários à concessão do empréstimo foram realizados na agência do BNB daquele município.

Veja a denúncia contra Cid Gomes na íntegra clicando aqui

Como o juízo de Sobral decidiu acatar a denúncia criminal, Cid Gomes e os outros denunciados, incluindo o outro sócio da Corte Oito, Ricardo Sérgio Farias, passam a ser réus pela suposta prática de crime contra o Sistema Financeiro Nacional. A decisão determina que os acusados sejam citados, a fim de que respondam à denúncia, por escrito e por meio de seus advogados, no prazo de 10 dias.

A reportagem tentou entrar em contato com a assessoria de imprensa de Cid Gomes para que ele se pronuncie sobre o caso, mas, até o momento, não obteve resposta.

O caso

Consta na denúncia do MPF que a Corte Oito recebeu um empréstimo de R$ 1,3 milhão para construção de galpões em Sobral. De acordo com inquérito e com um relatório da Controladoria Geral da União (CGU), na concessão do empréstimo, porém, não foram respeitadas as regras para operações financeiras com recursos do FNE. Houve também falhas no controle interno do banco e superdimensionamento do faturamento da empresa na avaliação de crédito.

Além do MPF, por decisão judicial, também foi incluída a União como parte autora da ação. Entre os réus, além dos sócios da Corte Oito, aparecem cinco funcionários do banco - Acy Milhomem de Vasconcelos, Micael Gomes Rodrigues, José Welington Tomas, André Bernard Pontes Lima e Richardson Nunes de Meneses – e o então superintendente João Robério Pereira de Messias.

© Diário do Nordeste

©Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.

LIMOEIRO DO NORTE-CE​: Polícia Civil de LN faz grande apreensão de drogas.​

A Polícia Civil da Delegacia Municipal de Limoeiro do Norte, acaba de fazer uma das maiores apreensões de drogas da história de Limoeiro. I...