terça-feira, 20 de junho de 2017

DETERMINAÇÃO STF adia julgamento sobre Aécio e manda soltar irmã e primo do senador. O trio é investigado a partir das delações da JBS; discussão sobre prisão ou não do parlamentar tucano ainda não tem nova data estabelecida para ser retomada.


Pedido da defesa de Aécio para que o caso seja analisado pelo plenário da Corte, e não pela Primeira Turma, será analisado pelos ministros ( Foto: Divulgação )

17:15 · 20.06.2017 / atualizado às 17:28por Redação/Folhapress

Andreia Neves estava presa desde o mês passado, em Belo Horizonte ( Foto: Divulgação/Polícia Federal )

Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na tarde desta terça-feira (20) adiar o julgamento do pedido daProcuradoria-Geral da República (PGR) para prender o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), envolvido nas investigações da JBS. 

A discussão sobre a prisão ou não do parlamentar tucano ainda não tem nova data para acontecer. Dependerá do prazo a ser estabelecido pelo ministro-relator, Marco Aurélio, sobre o pedido da defesa para que o caso seja analisado pelo plenário da Corte, e não pela Primeira Turma.

Os ministros determinaram também, momentos antes, a soltura do irmã e do primo do senador, presos desde o mês passado em Belo Horizonte.  Frederico Pacheco e AndreiaNeves também são investigados no Supremo a partir das delações da JBS e eles ficarão em prisão domiciliar. A decisão foi tomada após o colegiado também determinar a libertação deMendherson Souza Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG), acusado de intermediar o recebimento de propina enviada pelo empresárioJoesley Batista, da JBS.

Mantendo o mesmo entendimento do julgamento anterior, a maioria dos ministros entendeu que a prisão dos acusados pode ser substituída por medidas cautelares, como entrega de passaporte e recolhimento domiciliar.

Operação Patmos

 

Aécio foi gravado secretamente pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, pedindo R$ 2 milhõespara pagar um advogado para defendê-lo na Lava Jato. O dinheiro foi inicialmente pedido por Andrea Neves, irmã do senador. Com autorização do STF, a Polícia Federal filmou o pagamento de uma parcela.
 

Ricardo Saud, executivo da J&F, que controla a JBS, entregou R$ 500 mil a Frederico Pacheco, primo de Aécio, que depois repassou o dinheiro a Mendherson de Souza, assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG).

© Diário do Nordeste

©Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.

HORÓSCOPO DO DIA 24 DE AGOSTO DE 2017

Áries 21/03 a 20/04 regente: Marte Procure fortalecer sua harmonia emocional hoje, pois Lua e Plutão em quadratura lhe trazem o desafio d...