terça-feira, 6 de junho de 2017

PRÁTICA ILEGAL Justiça multa Crocobeach em R$ 30 mil por impedir comércio atuação de ambulante. Estabelecimento não pode se negar a vender produtos aos ambulantes e nem impedir o acesso e o trânsito de pessoas à área de praia e ao mar.

O MPF apurou que as agressões a vendedores é recorrente na barraca


AJustiça Federal determinou o pagamento de multa de R$ 30 mil ao empresário Argemiro Guidolin Filho, dono da barraca Crocobeach, localizada na Praia do Futuro. O empresário desobedeceu decisão judicial que determina que o estabelecimento não pode impedir o comércio de ambulantes na praia.

A decisão atende a pedido do Ministério Público Federal (MPF) no Ceará protocolado em abril deste ano, depois da veiculação de um vídeo em que um vendedor ambulante é agredido por seguranças da Crocobeach. Para a Justiça Federal, as imagens não deixam dúvida de que há uma política oficial adotada pela barraca de praia para impedir a atuação de ambulantes.

“Os seguranças que praticam a agressão estão claramente orientados a impedir que os ambulantes exerçam a atividade comercial naquela área, o que constitui uma clara afronta ao comando judicial”, afirmou o juiz federal George Marmelstein Lima, da 3ª Vara Federal no Ceará, ao julgar o pedido do MPF.

Ação do MPF

Em fevereiro de 2017, em ação movida pelo MPF, foi proferida a decisão que estabeleceu multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento. De acordo com a sentença, além de não poder impedir o comércio de produtos não concorrentes aos da barraca, o estabelecimento também não pode se negar a vender produtos aos ambulantes e nem impedir o acesso e o trânsito de pessoas à área de praia e ao mar.

A ação civil pública do MPF contra o empresário foi ajuizada em julho de 2013. Segundo a procuradora da República Nilce Cunha Rodrigues, o empresário, através da Crocobeach, estava impedindo a livre circulação de pessoas que não eram clientes, principalmente vendedores ambulantes, inclusive mediante ameaças e agressões físicas verbais.

Segundo a Justiça, eventual fiscalização da atividade de ambulante, mesmo no interior da barraca de praia, não pode ser realizada por particulares. “Cabe à municipalidade exercer a fiscalização da referida atividade e, se for o caso, coibir o comércio ilegal. Ao particular é tão somente facultado o direito de comunicar eventual atividade ilícita ao poder público, mas jamais substituir o poder de polícia que uma atividade tipicamente estatal”, afirma o juiz na sentença. Além da multa estabelecida na decisão, o empresário pode responder criminalmente por descumprir sentença da Justiça.


Ceará News7

© 2017 CopyrightGrupo Ceará Sat

BOLETIM POLICIAL VALE DO JAGUARIBE - 18/12/2017: Homicídio a bala em Icapuí, prisão por roubo e apreensão por arma de fogo em Aracati.

Neste domingo, dia 17, por volta das 23h, na localidade de Santa Tereza, zona rural, PMs foram informados de que cerca de quatro indivíduos...