terça-feira, 25 de julho de 2017

VIOLÊNCIA SEM FIM Mês de julho já apresenta alta de 29 por cento nas taxas de assassinatos em comparação a 2016. Faltando apenas seis dias para o fim do mês, julho de 2017 já apresenta um aumento de 29 por cento nos casos de homicídios no Ceará em comparação ao mesmo período do ano passado. Entre os dias 1º e 23 últimos foram contabilizados, nada menos, que 329 assassinatos no estado, enquanto em todo o mês de julho de 2016 os registros chegaram a 255. A média diária dos Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs) agora chega a 14,3 casos.

A rotina de duplos e triplos homicídios, além das chacinas, elevaram as taxas de CVLIs  no Ceará

Chacina em Horizonte: cinco pessoas executadas na noite de 12 de junho numa festa de aniversário

Chacina no Porto das Dunas/Aquiraz: na noite de  3 de junho, seis pessoas mortas numa casa de praia

Chacina em Paraipaba: noite do dia 20 de julho, quatro jovens executados a tiros no bairro Gurita

No acumulado do ano, o estado do Ceará já registrou 2.628 assassinatos, no intervalo entre os dias 1º de janeiro e 23 de julho. A Capital cearense continua sendo a que apresenta o maior número de homicídios entre as quatro pesquisadas. Em 23 dias de julho, foram 128 assassinatos. Na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) foram 89 casos. No Interior Norte ocorreram 58 homicídios, e no Interior Sul outros 54 casos.

Também nestes 23 dias de julho, as autoridades da Segurança registraram uma nova onda de assassinatos múltiplos que deixam 38 mortos em 12 casos de duplos homicídios (sendo sete na Grande Fortaleza e mais cinco no Interior), dois triplos (ambos no Município de Caucaia) e dois quádruplos (uma chacina na cidade de Paraipaba e um confronto entre policiais civis e ladrões de carro-forte, em Fortaleza).

Com os números de assassinatos já registrados em julho, o Ceará chega ao sexto mês de 2017 com números negativos de CVLIs em comparação a 2017. Apenas fevereiro apresentou um declínio nas taxas de assassinatos em comparação a 2016. Nos demais foi registrado crescimento dos índices de crimes contra a vida (homicídios, latrocínios e lesões corporais que resultam em óbito).

Chacinas

Nos sete meses de 2017, ao menos, sete chacinas foram registradas no estado. A mais recente ocorreu há menos de uma semana na cidade de Paraipaba (a 115Km de Fortaleza), quando quatro pessoas acabaram sendo fuziladas em um provável “acerto de contas” entre membros de facções criminosas rivais.

A chacina deste ano com maior número de mortos aconteceu  na cidade de Jaguaruana (a 183Km de Fortaleza), quando sete pessoas morreram durante um confronto entre policiais militares e uma quadrilha de assaltante de bancos interestadual.

Veja agora os casos de chacinas ocorridas no Ceará em 2017:

1– Dia 20 de fevereiro 2017 – Cinco pessoas são assassinadas em um condomínio popular Leonel Brizola, no bairro Bom Jardim, em Fortaleza. Vítimas foram identificadas como Jéfferson Nazário Gomes de Oliveira Carvalho, Alan Lima dos Santos, Francisco Max da Silva Ângelo, Valdirene do Nascimento Ribeiro e Leonardo de Sousa Lopes dos Santos

2 – Dia 1º de abril/2017 – Sete pessoas foram mortas durante um confronto entre a Polícia e uma quadrilha de assaltantes de bancos na cidade de Jaguaruana (a 183Km de Fortaleza). O bando foi surpreendido na madrugada ao invadir a cidade e atacar duas agências bancárias simultaneamente. Dos sete mortos, seus eram componentes do bando. A sétima vítima era um cidadão, atingido por bala perdida. Dos sete mortos, seis foram identificados: Ita Alves de Oliveira, Guilherme Santos da Silva, Ediondas Duarte Costa Júnior, Tailton Tamaris de Sousa, Luciano Sebastião de Araújo e Francisco Francileudo Gomes da Silva (este último era o cidadão atingido por bala perdida).

3 – Dia 16 de abril/2017 – Quatro pessoas morreram numa troca  de tiros entre policiais e bandidos na localidade de Sítio Capim Grosso, na zona rural do Município de Russas (a 163Km de Fortaleza). A chacina começou quando bandidos mataram o policial militar soldado Menandro Cavalcante Nunes. Houve revide e outras três pessoas foram assassinadas. Apenas uma das três foi identificada. Tratava-se de Deivyde Aless Romão da Silva.

4 – Dia 3 de junho/2017 – Seis pessoas foram mortas em uma casa de praia no Porto das Dunas, no Município de Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). A chacina teria sido um “acerto de contas” entre facções criminosas. Foram mortas as seguintes pessoas: Davi Saraiva Benigno, Nilo Barbosa do Nascimento, Mateus de Matos Monteiro, Fernando dos Anjos Rodrigues Júnior, Klysmann Menezes Cavalcante e Edmilson Magalhães.

5 – Dia 7 de junho/2017 – Quatro bandidos foram mortos em uma troca de tiros com policiais civis na estrada da Riviera, no Distrito de Tapera, no Município de Aquiraz. Segundo a Polícia, a quadrilha iria praticar uma chacina. O principal alvo do bando era um traficante do bairro Lagamar. Ele e seus comparsas seriam executados sumariamente.

6 – Dia 12 de junho/2017 – Cinco pessoas são mortas a cidade de Horizonte. Os mortos foram identificados como: Herton Ricardo da Silva Menezes, Bruna Érica Viana de Souza, Rafaela Alves Silveira, Marcilândio Cavalcante de Sousa, e uma criança de 3 anos, o  menino Gabriel de Souza Moura, filho de Bruna. 

7 – Dia 20 de julho/2017 – Quatro jovens executados a tiros, em Paraipaba. O crime ocorreu no começo da madrugada, no bairro Gurita, na entrada da cidade. Os quatro mortos foram identificados como Rodrigo Araújo dos Santos, 23; Clayver Braga de Almeida, 16 anos; Felipe de Sousa Oliveira e Rangel Pereira Batista. Uma jovem, identificada como Maria Valéria Ramos do Nascimento, 22 anos, foi baleada.  Criminosos usaram pistolas de calibre Ponto 40 e 380.

Jornalista Fernando Ribeiro Copyright 2016

DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 139 mortes por dengue e chikungunya na Capital. Se compararmos a igual período de 2016, houve um aumento de 221% nas ocorrências de febre chikungunya.

A prevenção ainda é o melhor "remédio" para combater o mosquito transmissor das enfermidades, o Aedes aegypti ( FOTO: Nah Jereis...