sexta-feira, 15 de setembro de 2017

EM LIMOEIRO DO NORTE Polícia investiga roubo de carga de explosivos. Entre os materiais subtraídos estão 339 kg de bananas de dinamite e mais de 2 mil metros de cordel detonante.

A Polícia Civil está investigando o roubo de mais de 330kg de bananas de dinamite e outros materiais explosivos de uma empresa de mineração, localizada na Chapada do Apodi, na zona rural do Município de Limoeiro do Norte (a cerca de 197 km de distância de Fortaleza), na última terça-feira (12).

De acordo com um policial civil lotado na Delegacia Municipal de Limoeiro do Norte, que preferiu não se identificar, o assalto aconteceu por volta de 6h50, quando três funcionários pegaram materiais explosivos no paiol e estavam chegando ao portão da pedreira da empresa.

Dois suspeitos com armas longas renderam os trabalhadores e os obrigaram a voltarem até o paiol para pegarem mais materiais explosivos. No total, foram roubados 339kg de bananas de dinamite, 1.589 metros de um cordel detonante NP 5, mais 500 metros de cordel detonante NP 10, 14 retardos simples e quatro espoletas montadas.

O material foi colocado na caminhonete Ford F-1000, da empresa. Em seguida, sob ameaça, os trabalhadores foram obrigados a seguir viagem com a carga de explosivos e com os dois criminosos até uma estrada carroçável, onde um veículo Volkswagen Saveiro esperava por eles.

No local, os explosivos foram transferidos para a Saveiro, que foi utilizada para a fuga dos assaltantes. Os funcionários e o automóvel da mineradora foram deixados na estrada. Quando conseguiram ter acesso a um meio de comunicação, os trabalhadores chamaram a Polícia, por volta de 7h40. A Polícia Militar realizou diligências pela região da Chapada do Apodi, mas não localizou os suspeitos até o fechamento desta matéria.

Levantamentos

A Delegacia Municipal de Limoeiro do Norte iniciou as investigações sobre o roubo. Uma equipe de policiais civis e a Perícia Forense do Ceará (Pefoce) foram até a fazenda onde funciona a empresa de mineração e realizaram os primeiros levantamentos sobre o crime. Funcionários da empresa foram convidados a prestar depoimento sobre os fatos à Polícia.

Ainda conforme o policial civil ouvido pela reportagem, representantes do Exército Brasileiro (EB), responsável pelo controle de explosivos legais em território nacional, também já compareceram à empresa para constatarem o roubo.

Capacidade

Segundo uma fonte do Esquadrão Antibombas do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), da Polícia Militar, a banana de dinamites (emulsão encartuchada) é, geralmente, utilizada para realizar o desmonte de rocha, mas, nas mãos dos criminosos, é usada para arrombamento de caixas eletrônicos, cofres e até carros-fortes.

Já o cordel detonante pode intensificar a explosão proporcionada pelas bananas de dinamites. "A nomenclatura NP 5, NP 10, faz referência ao tipo e quantidade de explosivo existente em cada metro linear. Exemplo: no NP 5, há 5g de nitropenta (tipo de explosivo) em cada um metro linear", detalhou a fonte.

A espoleta montada tem a função de iniciar a detonação e acionar os outros explosivos. Já os retardos têm a função de atrasar a detonação, "em questão de milissegundos", explicou policial militar do Gate.

© Diário do Nordeste

©Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.

Até o fim de dezembro reforço da segurança em Fortaleza terá duas torres de vigilância blindadas

SIRENE ABERTA Fernando Ribeiro Cada torre terá nas ruas do seu entorno dezenas de câmeras de altíssima potência Estão aceleradas as obra...