terça-feira, 17 de outubro de 2017

BRASIL Lembra do filho que espancou mãe idosa? A vida foi avassaladora com ele. Roberto ficou conhecido em todo o país por bater em sua mãe idosa, mas não imaginava seu destino. Covarde que espancou a mãe vai ficar 10 anos em Pedrinhas.




Alguns casos terríveis mexem com o Brasil. Um dos crimes mais recentes que abalou o país foi o que envolveu Roberto Elísio Coutinho. Ele ganhou fama em todo o país depois que foi flagrado batendo na própria mãe, uma idosa. O vídeo foi feito em março deste ano e Roberto acabou produzindo uma grande revolta nas redes sociais. No entanto, o que aconteceu desde o final do crime? De acordo com informações do site ‘O Imparcial’, o homem foi condenado a dez anos de prisão. A vida foi realmente avassaladora com ele. As agressões à sua matriarca vão ter penas cumpridas em regime fechado.

Homem bate em mãe idosa e recebe grave condenação da justiça

A idosa, na época das agressões, tinha 84 anos de idade.

Além de ser preso por uma década, o filho terá que pagar uma enorme multa de R$ 2 milhões à própria mãe. O caso foi julgado por Oriana Gomes, juíza da cidade onde o vídeo foi gravado, São Luís, no estado do Maranhão. Já está até mesmo determinado onde ele passará a pena, após essa condenação. Roberto, que judiou da idosa no vídeo terrível, deve ficar no Presídio de Pedrinhas, onde já se encontrava preso preventivamente até ocorrer essa nova decisão judicional

Filho que bateu na mãe velhinha não é perdoado pela justiça e paga muito caro

O filho recebeu várias acusações da justiça. Uma delas foi a de tortura e também não permitir que sua mãe fosse tratada pelos seus problemas de saúde. Como a mãe era muito idosa, a pena ganhou ainda mais peso. Ele também foi condenado por apropriação indébita, mostrando o quanto a justiça está tendo cuidado diante desse caso.

Homem tentou dizer que era esquizofrênico para se livrar da cadeia

A defesa de Elísio ainda tentou iniciar com preliminares, sob a alegação de que o réu estaria sofrendo com problemas de esquizofrenia, alcoolismo e atipicidade. A defesa ainda tentou fazer com que a Justiça soltasse o réu, sob a alegação de que o mesmo precisaria de cuidados médicos, por pelo menos um tempo de três meses. No entanto, a justiça não atendeu esse pedido e Elísio não conseguiu tal benefício. O máximo que ele conseguiu foi ficar em uma cela isolada, pois tinha ensino superior.

A cela individual também é importante para que o preso tenha um pouco mais de segurança, já que crimes desse tipo podem acabar irritando também outros presos, que ficam possessos com essa informação. Por enquanto, o detido ainda não foi alvo de nenhuma represália e seu estado de saúde é bom.

Via É Manchete!