terça-feira, 10 de outubro de 2017

DE 2013 A 2017 Mortes por intervenção policial batem recorde. Conforme o secretário André Costa, o aumento está ligado ao maior número de confrontos entre Polícia e suspeitos.


Em uma entrevista exclusiva concedida ao jornal, o titular da SSPDS André Costa, afirmou que o aumento no número de mortes em intervenções policiais se deve, diretamente, às ações ousadas cometidas por criminosos
( Foto: Kléber A. Gonçalves )

por Emanoela Campelo de Melo - Repórter

Desde 2013, primeiro ano em que a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) divulgou dados referentes aos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), o número de mortes em intervenções policiais só aumenta. De janeiro a setembro deste ano, 123 pessoas foram mortas por policiais. O número se consolida como um recorde desde que os registros são disponibilizados pela Pasta.

O montante de vidas perdidas já supera todo o ano de 2016. No ano passado, a SSPDS registrou 109 mortes com envolvimento de policiais. Se comparado ao ano de 2013, quando houve 41 CVLIs, o número deste ano já está três vezes maior.

Em 2017, julho foi o mês com o maior número de vítimas, com 23 casos. Em seguida, está o mês de abril, com 22. Fevereiro e março foram os períodos com menores registros. Uma das sete intervenções que terminaram em mote, no mês de março deste ano, vitimou a universitária Shyslane Nunes de Sousa, de 24 anos.

A estudante foi atingida por três tiros quando voltava da faculdade e estava a 50 metros da residência dela, no Conjunto Industrial, em Maracanaú, Região Metropolitana de Fortaleza. Francisco Roberto de Sousa, pai da vítima, acredita que a filha foi confundida com uma dupla de assaltantes que agia na região.

Conforme testemunhas, uma viatura das Rondas Ostensivas com Cães (Roca) flagrou o assalto e interveio com disparos. Shyslane não era uma das suspeitas, e sim uma vítima dos assaltantes. No dia 24 de agosto deste ano, cinco meses após o caso, a Perícia Forense do Ceará (Pefoce) concluiu que a bala que acertou a universitária saiu da arma de um policial militar.

Explicações

Em uma entrevista exclusiva concedida ao Diário do Nordeste, o titular da SSPDS, André Costa, afirmou que o aumento no número de mortes em intervenções policiais se deve, diretamente, às ações ousadas cometidas por criminosos. Segundo o secretário, o número de abordagens aumentou e, em consequência, há um maior risco de confronto.

"O que a gente percebe é que o policial está mais motivado para trabalhar e esse trabalho pró-ativo tem resultado em números positivos. Infelizmente, os bandidos no Ceará, principalmente os faccionados, têm sido mais ousados e violentos. Isso requer que os policiais atuem em legítima defesa, de forma proporcional e legítima", declarou Costa.

Em entrevista concedida no último mês, o governador do Estado do Ceará, Camilo Santana, afirmou que o aumento de mortes em intervenções policiais também estava ligado ao enfrentamento entre as facções criminosas que agem aqui. O governador reitera o pensamento de André Costa quando lembra que as organizações vêm acirrando a relação entre Polícia e criminosos.

O secretário da Segurança Pública disse esperar que os criminosos tenham juízo. "Espero que o bandido na rua tenha juízo e obedeça ao comando do policial. Se o policial dá ordem para se entregar, que ele obedeça. Não se pode correr risco. O policial deve responder à altura. Essa truculência dos bandidos é que resulta no aumento de mortes por intervenção", reiterou André Costa.

Vítimas

123 Pessoas 

foram mortas em decorrência de intervenções policiais, de janeiro a setembro de 2017, no Ceará. O número é o maior desde 2013

© Diário do Nordeste

©Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.


CADEIA PÚBLICA Presos de Guaraciaba do Norte poderão ter pena reduzida por meio da leitura. Segundo decisão da titular da Comarca do município, a leitura contribui no processo de reinserção social.

Além de realizar a organização do trabalho, os presos deverão se limitar ao conteúdo do livro recebido por eles ( Foto: divulgação/TJCE )...