sábado, 4 de novembro de 2017

CEARÁ Facções atuam em "consórcio" no Ceará para comercializar drogas. A estratégia dos grupos criminosos que se organizam por meio de facções, para além do domínio de territórios, tem como objetivo uma gestão “empresarial” do tráfico, sobretudo na aquisição e comércio das drogas.


A estratégia dos grupos criminosos que se organizam por meio de facções, para além do domínio de territórios, tem como objetivo uma gestão “empresarial” do tráfico, sobretudo na aquisição e comércio das drogas. E é justamente na forma de consórcios, muito bem organizados e estruturados, que esses grupos adquirem, em grandes quantidades, os entorpecentes que circulam por cidades como Fortaleza.

“O que a gente sabe é que eles se organizam para a compra dessa droga, até porque é um investimento muito alto e de bastante risco. E, quando essa droga chega, eles fazem a divisão, de tanto para cada grupo. Isso, de fato, acontece. É como em um verdadeiro consórcio”, revela a titular da DCTD, Patrícia Bezerra.

Na avaliação da delegada, a atuação “empresarial” cada vez maior das facções tem como fator determinante a “vantagem” de estar à margem da lei. Resulta ainda numa maior capilaridade dos grupos criminosos, que se retroalimentam através do tráfico. Cada vez mais, eles ganham beligerância, com o aumento do comércio ilegal de armas, o que estreita ainda mais a relação com os homicídios.

De 8 a 11 de outubro, O POVO veiculou a série Guerra nos Territórios sobre como o fim do pacto entre facções transformou áreas de Fortaleza em zonas de combate e barbárie

“O controle que se exerce sobre as pessoas é muito mais efetivo. Existe uma divisão de tarefas onde o que determinado membro do grupo faz não é de conhecimento do restante. Cada um é responsável por sua missão, em cada área. Muitas vezes, quem faz o transporte da droga nem sabe o destino final. Enfim, há uma série de questões muito complexas. Cada grupo tem suas particularidades e maneira de atuar”, resume.

 

Apreensões

De janeiro a outubro deste ano, a quantidade de drogas apreendidas somente pela DCTD cresceu 230%, em comparação com o mesmo período do ano anterior. Foram recolhidas 3,3 toneladas de entorpecentes, enquanto o total apreendido em 2016 foi de 1,1 tonelada. A apreensão do crack aumentou 76,5% e de LSD e ecstasy, 42,2%.

A cocaína foi o único tipo de droga recolhida que registrou queda, de 46%. Já a quantidade de maconha retirada de circulação foi 241% superior a 2016. No total, foram recolhidos 3,2 toneladas da droga. Mesmo assim, conforme O POVO publicou ontem, isso não se traduziu numa redução de outros crimes, como homicídios e roubos.

Patrícia Bezerra defende, contudo, que não fossem as apreensões registradas, a situação estaria bem pior. “Dia desses, me perguntaram por que a gente continua trabalhando, se pegamos 100 kg de drogas e sabemos que no outro dia chegarão outros 500 kg. O que nos movia, se a gente estava enxugando gelo. Respondi que me faço essa pergunta quase todos os dias. Mas, com toda certeza, se a gente não pegasse esses 100 kg, seriam 600 kg. E se a gente não estivesse enxugando esse gelo, muito mais pessoas teriam se afogado”, desabafa.

Sobre o debate sobre a descriminalização das drogas, a delegada argumenta que, em tese, seria uma “boa alternativa”. Considera, porém, que o Brasil não tem “amadurecimento” para assumir esse risco. “As condições de desigualdade não permitem que, nesse momento, as drogas sejam descriminalizadas. Seria jogar gasolina numa fogueira. Talvez, daqui a algum tempo, com as coisas em outro patamar, com as instituições mais amadurecidas, seja uma boa opção”, comenta. (Thiago Paiva)

Grupo de Comunicação O POVO
Copyright © 2016,
Todos os direitos reservados

LIMOEIRO DO NORTE-CE​: Acidente de trânsito​

Acidente de trânsito na Av Dr Gaspar, do tipo atropelamento moto x pessoa e animal. A vítima seria uma senhora de 59 anos, e o motoqueiro ...