terça-feira, 2 de janeiro de 2018

CRIME Antes de ser morta, vítima já sofria tortura de ex-companheiro, relata familiar de Stefhani.

Jéssika Sisnando

Stefhani Brito, de 22 anos, já sofria tortura de ex-companheiro antes de ser brutalmente assassinada no primeiro dia de 2018. O autor do crime transitou pelo bairro do Mondubim com a jovem morta na garupa da motocicleta. Em seguida, Stefhani teve o corpo abandonado às margens da Lagoa da Libânia.

 

A vítima é descrita por familiares e amigos como uma jovem "alegre, cheia de vida, que gostava de viver a vida". Conforme relato de pessoas próximas da vítima, o autor o crime seria o ex-companheiro de Stefhani, com quem ela conviveu cinco anos. Ele teria entrado em contato com uma irmã e em seguida a parente ligou para a mãe de Stefhani afirmando que eles haviam brigado e que ele a agrediu. Informou que havia deixado o corpo da jovem no bairro."O irmão dela (Stefhani) viu nas redes sociais que haviam achado um corpo na lagoa e quando chegou no lugar confirmou que era a irmã", disse.

 

Em um longo desabafo, uma familiar disse que a jovem era torturada e que todos viam as marcas. Ela chegou a ser queimada com ponta de cigarro e até com uma colher quente. Stefhani chegou a ir morar no Interior para se distanciar. "Isso pra mim é um psicopata, que amor não é. Ele queimava com faca, com colher, com cigarros. Quando batia nela, ele amarrava para não gritar. Acredito que ela era ameaçada, pois sempre ela dizia, sempre que discutia, a gente pedia para que ela não fosse encontrar. E ela dizia que ia pois precisava salvar a família", disse. 

Sobre o assunto

Mulher carregada morta na garupa de moto teria sido assassinada por ex-companheiro
A jovem conheceu o ex-companheiro aos 17 anos. Os dois chegaram a morar juntos e montaram um negócio, uma padaria. "Ele queria deixar ela sozinha trabalhando para ela ficar mais presa. Quando ela morou aqui no bairro a gente não a via", desabafa.

Há pelo menos seis meses os dois terminaram o relacionamento e tudo parecia ter se normalizado, inclusive, o ex-companheiro estava em um novo relacionamento. No último dia 1º, Stefhani foi chamada pelo homem para uma conversa. A família preocupada permaneceu ligando e a jovem atendia as ligações.

No entanto, a partir das 21 horas, as conversas eram apenas pelo WhatsApp. O que faz a família acreditar que seja o autor do crime se passando por ela. Em determinado momento, as mensagens pediam todas as fotos de Stefhani do Reveillón. Amigos da vítima dizem que era o ex-companheiro querendo saber com quem ela estava. 

A jovem era querida no Sítio Córrego e até os proprietários de pequenos comércios comentam que conheciam a vítima desde criança. Todos ficaram consternados com o que aconteceu. Já o homem apontado pela família como o responsável pelo crime teria familiares em Banabuiú, no bairro Vila Velha, mas morava no Sítio Córrego. 

Crime 

Conforme moradores das proximidades da Lagoa, entrevistados pelo O POVO, o homem passou com a vítima na motocicleta pelo menos quatro vezes. Indagou uma menina de 12 anos que estava na calçada sobre alguma farmácia aberta e ainda parou em uma borracharia, tudo isso com a vítima morta na garupa. 

Em seguida, às margens da lagoa, ele bateu a cabeça dela no tanque da motocicleta e deixou o corpo. A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou, por meio de nota, que o caso está sob investigação da Polícia Civil.

Grupo de Comunicação O POVO
Copyright © 2016,
Todos os direitos reservados

BOLETIM POLICIAL VALE DO JAGUARIBE - 18/01/2018: Invasão a residencia e roubo em Russas e furto em residência em Limoeiro do Norte

Conforme informações da Policia Militar, nesta quarta-feira, dia 17, por volta das 07 horas, numa Fazenda localizada na comunidade de Açude...